OncoCUP Dx – Teste de diagnostico de Cancro de Origem Desconhecida

Visão geral

OncoCUP Dx é uma solução inovadora, não invasiva, precisa e económica já validada para ajudar no diagnóstico do Cancro de Origem Desconhecida, com potenciais usos para triagem, prognóstico e monitoramento de recorrência.

OncoCUP Dx é baseado num cálculo de pontuação que é obtido de vários biomarcadores do paciente (principalmente marcadores tumorais, mas também informações clínicas do paciente).

 

Clique aqui para descarregar o folheto em formato PDF.

 

Marcadores de tumores

Os marcadores de tumores são parâmetros lançados por células tumorais, que entram na corrente sanguínea ou outros fluidos biológicos e são úteis para o diagnóstico, prognóstico e monitorização do tratamento em diferentes tipos de cancro.

A maioria dos marcadores de tumores não são específicos a nenhum tipo de cancro e as diferenças entre doenças benignas e malignas são quantitativas (por exemplo, os pacientes com tumores epiteliais tendem a ter níveis significativamente mais elevados destes marcadores de tumores do que pacientes sem malignidade).

Atualmente, existem mais de 20 parâmetros bem conhecidos que são amplamente considerados como marcadores de tumores, como o PSA ―relacionado com o Cancro de Próstata―, CA 15,3 ―relacionado com o Cancro da Mama―, CA 125 e HE4 ―ambos relacionados com o Cancro da Próstata―, CEA e CA 19,9 ―ambos relacionados a diferentes tipos de Cancro Gastrointestinal (Cancro Colorretal, Gástrico e Pancreático)―, ou NSE e ProGRP ―ambos relacionados com o Cancro do Pulmão―.

No entanto, há uma variedade de fatores que podem afetar a exatidão dos marcadores de tumores pois fazem aumentar os seus níveis sem a presença da malignidade. A principal razão são as doenças benignas, mas também podem afetar diferentes interferências técnicas.

Neste sentido, a Sociedade Espanhola de Bioquímica Clínica e Patologia Molecular, Comissão de Biomarcadores de Cancro estabeleceu o Critérios Barcelona, 4 critérios que ajudam a distinguir e valorizar corretamente os resultados dos marcadores de tumores e reduzir o número de falsos positivos (FP):

  1. Avaliação das concentrações de soro dos marcadores de tumores.
  2. Descartar a patologia benigna como principal fonte de falsos positivos.
  3. Recomendação de acompanhamento se os marcadores de tumores apresentam resultados moderados (Zona Cinzenta/Indeterminado).
  4. Eliminação de interferencias técnicas.

Medições estatísticas em testes de diagnóstico

Infelizmente, o uso de marcadores de tumores na rotina apresenta também outros problemas, tais como a baixa Sensibilidade em estágios iniciais ou a inexistência de um marcador de tumor específico para cada tumor maligno. No entanto, a combinação de 2 ou mais marcadores de tumores trás resultados mais positivos, especialmente em estágios avançados.

A este respeito, a combinação de vários marcadores de tumores ―bem como a inclusão de informações do histórico clínico do paciente nas equações―, utilizando algoritmos complexos com múltiplas variáveis, resulta em uma maior Sensibilidade e Especificidade: é isso que apelidamos de MBDAA (em inglês, Multi-Biomarker Disease Activity Algorithm).

A Sensibilidade de um teste de diagnóstico é a percentagem de positivos reais que são corretamente identificados, e a Especificidade é a proporção de negativos verdadeiros que são classificados corretamente. Ambas as variáveis estão intimamente ligadas entre si e dão uma ideia da precisão do dito teste.

Um teste que identifica corretamente todos os verdadeiros positivos como positivos, mas que tenha muitos falsos negativos teria uma Sensibilidade de 100%, mas baixa Especificidade. Por exemplo, a Sensibilidade mede o número de tumores malignos que são corretamente identificados como cancro, enquanto que as medidas de Especificidade medem o número de tumores benignos que são corretamente identificados como benignos. Uma Sensibilidade elevada significa menos cancros diagnosticados como benignos e uma Especificidade elevada significa menos tumores benignos diagnosticados como malignos.

Além disso, o valor preditivo positivo (VPP) é o número de positivos verdadeiros corretamente identificados sobre o total de positivos reais. Um teste com muitos falsos positivos terá um baixo VPP. Por outro lado, o valor preditivo negativo (VPN) é o número de negativos verdadeiros corretamente identificados sobre o total de negativos reais. Um valor elevado de VPN significa que muitos poucos positivos verdadeiros foram incorretamente identificados como negativos.

Todos estes parâmetros diferentes podem ser representados juntos num gráfico que é conhecido como curva ROC (do inglês, Receiving Operator Curve), onde se mostram os melhores resultados com curvas que tendem a chegar perto do canto superior esquerdo da imagem (100% de Sensibilidade e 100% de Especificidade).

Receiving Operator Curves (curva ROC)

A curva ROC do teste OncoCUP Dx ―baseada na contagem combinada de AFP, β-hCG, CA 15.3, CA 19.9, CA 72.4, CA125, CEA, CYFRA 21-1, HE4, NSE, ProGRP, PSA, fPSA, Marcadores tumorais SCC e S100; comorbidades e outros dados de 5.456 pacientes consecutivos, então aperfeiçoados por outras pesquisas―, apresentam capacidades de diagnóstico realmente interessantes: 82,4% Sensibilidade e 98,1% Especificidade.

Como funciona?

Como todos os testes MBDAA de BIOPROGNOS, o teste OncoCUP Dx está disponível on-line assim que o acesso é concedido por meio da nossa Platformora segura de Cloud. Como uma solução em nuvem, ela foi projetada para ser usada em uma base de Software as a Service (SaaS), ou seja, sem instalação, atualizações de patches periodicamente, baixo TCO (Custo Total de Propriedade) e nenhuma manutenção.

Desta forma, os médicos ou técnicos de laboratório devem preencher o formulário apenas com os valores obtidos anteriormente (dados pessoais, estado da menopausa, comorbidades, valores bioquímicos, medicações, procedimentos prévios e informações sobre estilo de vida) e clicar no botão Enviar para obter a pontuação de risco de ter Cancro.

Formulário

Para facilitar o trabalho, os médicos podem descarregar e preencher o Formulário de OncoCUP Dx de maneira rápida e fácil ―com todos os dados necessários para um melhor cálculo de risco já detalhado―.

lung-cancer-report-sample

Clique aqui para descarregar o formulário de OncoCUP Dx em formato PDF.

Relatório final

Depois de os médicos inserirem os dados do paciente, o teste OncoCUP Dx apresenta os resultados numa janela separada que pode ser convertida num documento PDF para ser descarregada ou enviada por e-mail.

Clique aqui para descarregar o relatório em formato PDF.

O relatório inclui duas seções principais: Informações do Paciente e Resultado. No primeiro, todos os dados do paciente inseridos anteriormente são mostrados como registro. O segundo inclui: Resultados, indicando se os níveis dos Marcadores de Tumor estão dentro da faixa normal ou não; Risco, com uma barra de pontuação mostrando a probabilidade de ter Cancro; Comentários, que são criados dinamicamente para ajudar médicos e profissionais de saúde a entender “de maneira fácil”, como detectar falsos positivos (FP), como níveis de Marcadores Tumorais que indicariam a presença de cancro, mas ao considerar outras variáveis ​​juntas ―informações sobre raça, idade e comorbidades―, não correspondem a doenças malignas; e, finalmente, Conclusões, com recomendações sugerindo refazer o teste ao paciente em 1 ano (para baixo risco), ou em 4 semanas (para risco moderado, ou seja, naqueles casos em que os níveis de marcador tumoral são maiores que a normalidade, mas não são de alto risco).

Por favor, note que o relatório final é orientado apenas para profissionais de saúde ―não para pacientes―, porque foi concebido como “uma ferramenta para ajudar os profissionais de saúde no diagnóstico de Cancro, e também certificada pela obtenção da DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE (Aparelho Médico 93/42/EEC, Classe I, regra 12).

Declaração de Conformidade CE

Desde 17 de Maio de 2017 (quando a versão 1.0 foi lançada), o teste OncoCUP Dx tem a Declaração de Conformidade CE que certifica que foi avaliado para atender aos requisitos de alta segurança, saúde e proteção ambiental.

Clique aqui para descarregar a Declaração de Conformidade CE de OncoCUP Dx em formato PDF.

Esta declaração também certifica que o teste OncoCUP Dx pode ser vendido em toda a Área Económica Européia (AEE) sem restrições.

Além disso, existem dois benefícios principais que a marcação CE traz para empresas e consumidores na AEE:

  • As empresas sabem que os produtos que ostentam a marcação CE podem ser negociados na AEE.
  • Os consumidores desfrutam do mesmo nível de saúde, segurança e proteção ambiental em todo a AEE.

Usos e finalidades do teste OncoCUP Dx

O teste OncoCUP Dx foi desenvolvido para:

  • Confirmar ou descartar malignidade de resultados obtidos anteriormente com outros testes, como imagens de Tomografia Computadorizada (TC) ou Ressonância Magnética (RM), graças a uma maior sensibilidade e especificidade do que os procedimentos de imagem.
  • Ajudar os médicos a prever o comportamento do cancro e a resposta ao tratamento, bem como a chance de recuperação de uma pessoa.
  • Orientar as decisões de tratamento (como decidir se adicionar imunoterapia após a cirurgia e/ou radioterapia), monitoramento da terapia (os médicos podem usar alterações na presença ou quantidade de um ou mais Marcadores Tumorais para avaliar como o cancro está respondendo ao tratamento) e prever ou monitorar a recorrência (a procura de alterações na quantidade de um Marcador de Tumor pode fazer parte do seu plano de acompanhamento e pode ajudar a detectar uma recorrência mais cedo do que outros métodos).

Publicaçōes

Baseado em Publicaçōes

  1. Bayo J., Castaño M. A., Rivera F. and Navarro F. (2017). “Analysis of blood markers for early breast cancer diagnosis”. Clin Transl Oncol. Springer. DOI: 10.1007/s12094-017-1731-1
  2. Best J., Bilgi H., Heider D., Schotten C., Manka P., Bedreli S., Gorray M., Ertle J., van Grunsven L. A. and Dechêne A., “The GALAD scoring algorithm based on AFP, AFP-L3 and DCP significantly improves detection of BCLC Early Stage”. Georg Thieme Verlag KG. DOI: 10.1055/s-0042-119529
  3. Reichl P., Fang M., Starlinger P., Staufer K., Nenutil R., Muller P., Greplova K., Valik D., Dooley S., Brostjan C., Gruenberger T., Shen J., Man K., Trauner M., Yu J., Fang Gao C. and Mikulits W. “Multicenter analysis of soluble Axl reveals diagnostic value for very early stage HCC”. Int. J. Cancer: 137, 385–394 (2015) VC 2014 UICC. DOI: 10.1002/ijc.29394
  4. Molina, R., Marrades R. M., Auge J. M., Escudero J. M., Vinolas N., Reguart N., Ramirez J., Filella X., Molins L. and Agusti A. (2016). “Assessment of a Combined Panel of Six Serum Tumor Markers for Lung Cancer.” Am J Respir Crit Care Med 193(4): 427-437. DOI: 10.1164/rccm.201404-0603OC
  5. Molina, R., Auge J. M., Escudero J. M., Filella X., Foj, L., Torné A., Lejarcegui J., Pahisa J. “HE4 a novel tumour marker for ovarian cancer: comparison with CA 125 and ROMA algorithm in patients with gynaecological diseases.” Tumour Biol, 2011. 32(6): p. 1087-95. PMCID: PMC3195682
  6. Santotoribio J.D., Garcia-de la Torre A., Cañavate-Solano C., Arce-Matute F., Sanchez-del Pino M.J., Perez-Ramos S. “Cancer antigens 19.9 and 125 as tumor markers in patients with mucinous ovarian tumors.” EJGO European Journal of Gynaecological Oncology. PMID: 27048105
  7. Shaikh N. A., Memon F., Samo R. P. “Tumor markers; efficacy of CA-125, CEA, AFP and Beta-HCG. An institutional based descriptive & prospective study in diagnosis of ovarian malignancy.” Professional Med J 2014;21(4):621-627. PDF
  8. Sørensen S. S., Mosgaard B. J. “Combination of CA 125 and CEA can improve ovarian cancer diagnosis.” DANISH MEDICAL BULLETIN. Dan Med Bul 2011;58(11):A4331. November 2011. PDF
  9. Salami S. S., Schmidt F., Laxman B., Regan M. M., Rickman D. S., Scherr D., Bueti G., Siddiqui J., Tomlins S. A., Wei J. T., Chinnaiyan A, Rubin M. A., Sanda M. G. “Combining Urinary Detection of TMPRSS2:ERG and PCA3 with Serum PSA to Predict Diagnosis of Prostate Cancer.” Urol Oncol. 2013 July ; 31(5): 566–571. DOI: 10.1016/j.urolonc.2011.04.001
  10. Molina, R., Bosch X., Auge J. M., Filella X., Escudero J. M., Molina V., Sole M. and Lopez-Soto A. (2012). “Utility of serum tumor markers as an aid in the differential diagnosis of patients with clinical suspicion of cancer and in patients with cancer of unknown primary site.” Tumour Biol 33(2): 463-474. DOI: 10.1007/s13277-011-0275-1
  11. Trapé, J. and Molina R. (2006). “Aspectos generales de los marcadores tumorales.” JANO 1620: 45-48. PDF
  12. Molina R., Filella X., Trapé J., Augé J. M., Barco A., Cañizares F., Colomer A., Fernandez A., Gaspar M. J., Martinez-Peinado A., Pérez L., Sánchez M., Escudero J. M. (2013). “Principales causas de falsos positivos en los resultados de marcadores tumorales en suero.” Sociedad Española de Bioquímica Clínica y Patología Molecular. Comisión de Marcadores Biológicos del Cáncer. PDF

Publicaçōes Relacionadas

  1. Abdelmoniem S, Zaki E, Imam H, Badrawy H, Ali S, Maximous D. Diagnostic value of a panel of tumor markers as a part of a diagnostic work-up for ascites of unknown etiology – Open Journal of Gastroenterology – 2012. DOI: 10.4236/ojgas.2012.23020
  2. Briasoulis E, Pavlidis N. Cancer of Unknown Primary Origin. Department of Medicine/Oncology Unit, Ioannina University Hospital, Ioannina, Greece. The Oncologist 1997;2:142-152. DOI: 10.1.1.484.4291
  3. Duffy, M. J. (2010). “Clinical Utility of Tumor Markers: What the Guidelines Recommend.” Journal of Laboratory Diagnostics 46(3): 281-291. PDF
  4. Duffy, M. J. and P. McGing (2010). Guidelines for the use of Tumour Markers. PDF
  5. Fizazi K, Greco F, Pavlidis N, Daugaard G, Oien K, Pentheroudakis G. Cancers of unknown primary site: ESMO Clinical Practice Guidelines for diagnosis, treatment and follow-up – Annals of Oncology – 2015. DOI: 10.1093/annonc/mdv305
  6. Furrukh M, Burney I.Cancer of Unknown Primary Site: Not All is Lost! JBR Journal of Clinical Diagnosis and Research – 2015. DOI: 10.4172/2376-0311.1000115
  7. Hemminki K, Bevier M, Hemminki A, Sundquist J. Survival in cancer of unknown primary site: population-based analysis by site and histology. Ann Oncol. 2012;23(7):1854-63. PMID: 22115926
  8. Hemminki K, Ji J, Sundquist J, Shu X. Familial risks in cancer of unknown primary: tracking the primary sites. J Clin Oncol. 2011;29(4):435-40. DOI: 10.1200/JCO.2010.31.5614
  9. Mayeux, R. (2004). “Biomarkers: potential uses and limitations.” NeuroRx 1(2): 182-188. DOI: 10.1602/neurorx.1.2.182
  10. Medicine, T. A. f. c. B. L. (2013). RECOMMENDATIONS AS A RESULT OF THE ACB NATIONAL AUDIT ON TUMOUR MARKER SERVICE PROVISION. PDF
  11. NICE Clinical Guidelines, No. 104. Diagnosis and management of metastatic malignant disease of unknown primary origin. Clinical Guideline. Evidence Review. National Collaborating Centre for Cancer (UK); 2010 Jul. PMID: 22259823
  12. Novakovic, S. (2004). “Tumor markers in clinical oncology.” Radiology and Oncology 38(2). PDF
  13. Perez, E. O. and M. I. Aceituno Azaustre (2014). “Utilidad clínica de los marcadores tumorales.” Revista Médica de Jaén(4): 2-12. PDF
  14. Perkins, G. L., E. D. Slater, G. K. Sanders and J. G. Prichard (2003). “Serum Tumor Markers.” American Family Physician 68(6): 1075 – 1082. PDF
  15. Sharma, S. (2009). “Tumor markers in clinical practice: General principles and guidelines.” Indian J Med Paediatr Oncol 30(1): 1-8. PMCID: PMC2902207
  16. Stieber, P., R. Hatz, S. Holdenrieder, R. Molina, M. Nap, J. von Pawel, A. Schalhorn, J. Schneider and K. Yamaguchi (2006). Practice Guidelines And Recommendations For Use Of Tumor Markers In The Clinic. National Academy of Clinical Biochemistry Guidelines for the use of tumor markers in Lung Cancer. PDF
  17. Sturgeon, C. (2002). “Practice guidelines for tumor marker use in the clinic.” Clin Chem 48(8): 1151-1159. PMID: 12142367
  18. Sturgeon, C. M., E. P. Diamandis, B. R. Hoffman, D. W. Chan, S. L. Ch’ng, E. Hammond, D. F. Hayes, L. A. Liotta, E. F. Petricoin, M. Schmitt, O. J. Semmes, G. Söletormos and E. van der Merwe (2009). National Academy of Clinical Biochemistry Laboratory Medicine Practice Guidelines for use of tumor markers in clinical practice: quality requirements. DOI: 10.1373/clinchem.2007.094144
  19. Sturgeon, C. M., M. J. Duffy, B. R. Hoffman, R. Lamerz, H. A. Fritsche, K. Gaarenstroom, J. M. G. Bonfrer, T. Ecke, H. B. Grossman, P. Hayes, R.-T. Hoffmann, S. P. Lerner, F. Lohe, J. Louhimo, I. Sawczuk, K. Taketa and E. P. Diamandis (2010). USE OF TUMOR MARKERS IN LIVER, BLADDER, CERVICAL, AND GASTRIC CANCERS, The National Academy of Clinical Biochemistry. PDF
  20. Sturgeon, C. M., B. R. Hoffman, D. W. Chan, S. L. Ch’ng, E. Hammond, D. F. Hayes, L. A. Liotta, E. F. Petricoin, M. Schmitt, O. J. Semmes, G. Soletormos, E. van der Merwe, E. P. Diamandis and B. National Academy of Clinical (2008). “National Academy of Clinical Biochemistry Laboratory Medicine Practice Guidelines for use of tumor markers in clinical practice: quality requirements.” Clin Chem 54(8): e1-e10. DOI: 10.1373/clinchem.2007.094144
  21. Trape, J., G. Gurt, J. Franquesa, J. Montesinos, A. Arnau, M. Sala, F. Sant, E. Casado, J. M. Ordeig, C. Bergos, F. Vida, P. Sort, A. Isava, M. Gonzalez and R. Molina (2015). “Diagnostic Accuracy of Tumor Markers CYFRA21-1 and CA125 in the Differential Diagnosis of Ascites.” Anticancer Res 35(10): 5655-5660. PMID: 26408739
  22. Trape, J., R. Molina, F. Sant, J. Montesinos, A. Arnau, J. Franquesa, R. Blavia, E. Martin, E. Marquilles, D. Perich, C. Perez, J. M. Roca, M. Domenech, J. Lopez and J. M. Badal (2012). “Diagnostic accuracy of tumour markers in serous effusions: a validation study.” Tumour Biol 33(5): 1661-1668. DOI: 10.1007/s13277-012-0422-3
  23. Trapé Pujol, J. and R. Molina Porto (2006). “Aspectos generales de los marcadores tumorales.” JANO 1620: 45-48. PDF