Cancro do Pâncreas

Visão geral

O Canco do Pâncreas é um tipo de cancro que começa no pâncreas (um órgão glandular no sistema digestivo e no sistema endócrino).

O pâncreas está localizado na cavidade abdominal atrás do estômago. Tem uma dupla função, pois produz vários hormónios importantes, como insulina, glucagon, somatostatina ou polipeptídeo pancreático e, entretanto, secreta sumo pancreático contendo enzimas digestivas com o objetivo de auxiliar a digestão e a absorção de nutrientes no intestino delgado. O principal papel destes é ajudar a quebra adicional de carboidratos, proteínas e lipídios no duodeno.

Os cancros pancreáticos normalmente começam nas células que revestem a função exócrina, mas também aparecem na parte endócrina do órgão.

Tipos de Cancro do Pâncreas

Os médicos dividem o Cancro de Pâncreas em dois tipos principais, de acordo com a natureza das células afetadas, como:

  • Cancros pancreáticos exócrinos: este tipo de cancro é, de longe, o tipo mais comum de cancro pancreático. 95% dos cancros exócrinos são adenocarcinomas e outros cancros exócrinos menos comuns incluem carcinomas adenoescamosos, carcinomas de células escamosas, carcinomas de células de anel de sinete, carcinomas indiferenciados e carcinomas de células gigantes indiferenciadas.
  • Cancros endócrinos pancreáticos: como um grupo, são frequentemente chamados tumores neuroendócrinos pancreáticos (TNP) ou tumores de células ilhotas e correspondem a menos de 5% de todos os cancros pancreáticos. Cerca de metade dos TNPs pancreáticos produzem hormónios que são libertados no sangue e causam sintomas. Alguns exemplos são: gastrinomas, glucagonomas, somatostatinomas, etc.

Fatores de risco

Uma série de fatores pode aumentar o risco de cancro pancreático. Alguns fatores de risco podem ser controlados, por exemplo, deixar de fumar, mas outros fatores não podem ser controlados, como a história familiar.

Fatores de risco para o Cancro do Pâncreas incluem:

  • Idade
  • Género masculino
  • Afro-americanos
  • Histórico familiar
  • Síndromes genéticas hereditárias
  • Diabetes
  • Pancreatite crónica
  • Cirrose do fígado
  • Fumar
  • Excesso de peso corporal

Sinais e sintomas

O Cancro do Pâncreas é difícil de detectar precocemente. O pâncreas é profundo no corpo, por isso os profissionais de saúde não conseguem ver ou palpar tumores precoces durante os exames físicos de rotina. Os pacientes geralmente não apresentam sintomas até que o cancro já se espalhou para outros órgãos.

Os sinais e sintomas do Cancro do Pâncreas incluem:

  • Dor abdominal superior que pode alastrar para as costas
  • Amarelecimento da pele e do branco dos olhos (icterícia)
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Depressão
  • Coágulos de sangue

Prognóstico

Como o pâncreas é um órgão endócrino responsável por controlar alguns parâmetros vitais, como os níveis de açúcar no sangue, as taxas de sobrevivência são muito baixas e, por esse motivo, um diagnóstico precoce é crucial.

Se o cancro não se espalhar para além do pâncreas e a cirurgia for possível, entre 7 a 25 de cada 100 pessoas sobreviverão por 5 anos ou mais.

Para doença localmente avançada (estágio III) que não pode ser eliminada por cirurgia, a sobrevivência média é de aproximadamente 6 a 11 meses.

Para o cancro que se espalhou para outra parte do corpo (estágio IV), a sobrevivência média é de apenas 2 a 6 meses. No entanto, isso pode variar dependendo de quanto o cancro cresceu e onde se espalhou.

Diagnóstico do Cancro do Pâncreas

OBSERVAÇÃO: O DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CANCRO É MUITO IMPORTANTE, O CANCRO QUE É DIAGNOSTICADO EM UM ESTÁGIO MAIS ANTECIPADO, ANTES DE TER A OPORTUNIDADE DE SE TORNAR MAIOR OU PROPAGAR, TEM MAIS PROBABILIDADE DE SE TRATAR COM SUCESSO. SE O CANCRO JÁ SE ESPALHOU, O TRATAMENTO TORNA-SE MAIS DIFÍCIL E, EM GERAL, A TAXA DE SOBREVIVÊNCIA É MUITO INFERIOR.

Estado da arte

Por anos, técnicas de imagem e biópsias têm estado na vanguarda do diagnóstico de cancro. Além disso, no Cancro do Pâncreas, existem alguns procedimentos especiais devido à importância da detecção do Cancro no Pâncreas. Um endoscópio é usado para aplicar ultra-som e injetar um corante nos ductos pancreáticos que serão posteriormente detectados com raios X. Estes procedimentos podem ser muito prejudiciais aos órgãos e tecidos devido à sua agressividade e, além disso, há um stresse associado à biópsia que pode ser difícil para os pacientes. Também é importante mencionar que todos estes procedimentos adicionam custos significativos ao longo do tratamento.