BI-RADS® para ressonância magnética

Visão geral

O Sistema de Relatórios e Dados de Imagem da Mama (BI-RADS®) foi desenvolvido por American College of Radiology (ACR) para servir como um guia fornecendo terminologia de imagem de mama padronizada, uma estrutura de relatório recomendada incluindo categorias de avaliação final com recomendações de acompanhamento e uma estrutura para recolha de dados e auditoria. A validação subsequente mostrou que a implementação do BI-RADS® reduz a variabilidade inter e intraobservador. A primeira edição foi lançada em 1993 para os achados mamográficos, desde então mais edições foram lançadas. Em 2003, a primeira edição do Ultrassonografia (US) e Ressonância Magnética (RM) BI-RADS® Atlas foi publicado.

BI-RADS® para ressonância magnética foi projetado para padronizar o relato de imagem da mama e reduzir a confusão nas interpretações de imagem da mama. Também facilita o monitoramento de resultados e a avaliação da qualidade.

Ferramenta online

BIOPROGNOS implementou ―para fins educacionais ou de instrução―, as últimas versões do BI-RADS® para ressonância magnética para triagem e detecção do cancro de mama. BI-RADS® para ressonância magnética é baseada no léxico para terminologia padronizada (descritores) para RM, bem como nos capítulos sobre Organização de Relatórios e Capítulos de Orientação para uso na prática diária. O uso é gratuito e ilimitado.

 
 

Solicitar acesso ao RADS

 
 

Relatório final

Uma vez inseridos os dados do paciente, a nossa calculadora de pontuação de BI-RADS® para ressonância magnética, apresenta os resultados como um documento PDF, que pode ser descarregado ou enviado por e-mail.

Clique aqui para abrir em formato PDF.

O relatório inclui todos os Dados do Paciente, assim como Pontuação, calculados de acordo com a última versão de BI-RADS® para ressonância magnética.

Publicações

Baseado em publicações

  1. ACR BI-RADS Altas Fifth Edition, Quick Reference. American College of Radiology. PDF.
  2. ACR BI-RADS Atlas – Reporting System Breast MRI. American College of Radiology. PDF.

Publicações relacionadas

  1. Gity, M., Moghadam, K. G., et al. (2014). Association of Different MRI BIRADS Descriptors with Malignancy in Non Mass-Like Breast Lesions. Iranian Red Crescent Medical Journal. 16(12): e26040. DOI: 10.5812/ircmj.26040
  2. Hernández, P. L., Taub, T., et al. (2016). Breast calcifications: Description and classification according to BI-RADS 5th edition. Revista Chilena de Radiología. Vol 22, Issue 2. DOI: 10.1016/j.rchira.2016.06.004
  3. Leithner, D., Wengert, G., et al. (2017). MRI in the Assessment of BI-RADS1 4 lesions. Topics in Magnetic Resonance Imaging. Vol26, Number 5. DOI: 10.1097/RMR.0000000000000138
  4. Mary, C., Gatsonis, C., et al. (2012). Positive predictive value of BI-RADS MR Imaging. Radiology. Vol 264, Number 1. DOI: 10.1148/radiol.12110619.
  5. Sedgwick, E. L., Ebuoma, L., (2015). BI-RADS update for breast cancer caregivers. Breast Cancer Research and Treatment, 150, 243-254. DOI: 10.1007/s10549-015-3332-4
  6. Spick, C., Szolar, D. H., et al. (2015). Benign (BI-RADS 2) lesions in breast MRI. Clinical Radiology 70(4):395-9. DOI: 10.1016/j.crad.2014.12.004
  7. Spick, C., Szolar, D. H., et al. (2014). Rate of Malignancy in MRI-Detected Probably Benign (BI-RADS 3) Lesions. American Journal of Roentgenology. Vol 202, Issue 3. DOI: 10.2214/AJR.13.10928
  8. Strigel, R. M., Burnside, E. S., et al. (2017). Utility of BI-RADS Assessment Category 4 Subdivisions for Screening Breast MRI. American Journal of Roentgenology. Vol 208, Issue 6. DOI: 10.2214/AJR.16.16730